Venha conosco para a Cúpula dos Povos

quinta-feira, 10 de janeiro de 2008

CRONOLOGIA DOS DIREITOS SOCIAIS NA MÍDIA








CRONOLOGIA DOS DIREITOS SOCIAIS NA MÍDIA
Em 29 de Fevereiro 2008, no Observatório da Imprensa.

Se a greve dos roteiristas já acabou antes do fim de Fevereiro o problema dos direitos sociais nas Mídias prossegue com as demissões havendo quem fale de "que esta é a quarta grande encruzilhada estratégica enfrentada pela imprensa norte-americana em 100 anos. A primeira foi durante a chamada Era Progressista (1890 a 1917) quando os Estados Unidos passaram por um período de reformas políticas; a segunda, por volta de 1930, quando o rádio mudou os hábitos dos americanos em matéria de informação; a terceira encruzilhada aconteceu no final da guerra do Vietnã; e a quarta, agora, quando a internet colocou a indústria dos jornais de pernas para o ar."


23/01/2008

JB On-line 23/01/2008

EUA: roteiristas e produtores de cinema e TV se reúnem nesta quarta

Agência AFP

LOS ANGELES - Os roteiristas e produtores de cinema e TV americanos retomam nesta quarta-feira 23/01/2008 as negociações para buscar uma saída para a crise que paralisa Hollywood, informaram nesta terça os respectivos sindicatos, em nota conjunta.
O sindicato americano de roteiristas (WGA) e a Aliança de produtores de Cinema e Televisão (AMPTP) "iniciarão um diálogo informal para determinar se há uma plataforma para que ambas as partes retomem negociações formais", destaca o texto.
- Tanto a AMPTP como o WGA concordaram em não realizar declarações públicas sobre as discussões informais, enquanto estas não estiverem concluídas - acrescentou.

********************************************************************

Warner Bros ameaça demitir pessoal devido à greve dos roteirist

JB Online 09/01/2008
WASHINGTON - O estúdio Warner Bros, que pertence ao grupo Time Warner, avisou nesta quarta-feira a cerca de mil trabalhadores que em breve haverá um número ainda indeterminado de demissões, devido à greve de roteiristas de cinema e televisão nos Estados Unidos.
Os avisos foram enviados porque, em determinadas circunstâncias, a lei pode exigir que o empregador notifique os trabalhadores sobre mudanças de elenco, explicou a Warner Bros em comunicado.
- Devido à greve do Sindicato de Roteiristas Americanos (WGA, sigla em inglês) algumas divisões dos estúdios terão que despedir empregados. Lamentamos o impacto na vida de nossos trabalhadores e esperamos que eles possam voltar a seus postos quando o WGA encerrar a greve - afirmou a companhia.
A greve dos roteiristas começou dia 5 de novembro e está causando grandes estragos à indústria de televisão e cinema nos EUA. As perdas são milionárias, com projetos inacabados, séries interrompidas durante semanas e quedas de audiência devastadoras.
Na entrega dos prêmios People Choice Awards, na terça-feira, a audiência caiu 5,3 milhões de telespectadores em comparação com a edição do ano anterior, ficou em 6 milhões.
A rede "NBC" cancelou há dois dias a cerimônia do prêmio Globo de Ouro, devido ao boicote de muitos atores e candidatos aos prêmios, em apoio à greve dos roteiristas.
Segundo a imprensa americana, a "NBC" já estaria oferecendo a alguns anunciantes a devolução de dinheiro por causa do cancelamento da cerimônia, que normalmente gera cerca de US$ 20 milhões em venda de anúncios.
A greve dos roteiristas também ameaça a festa do Oscar, dia 24 de fevereiro.
**********************************************************************

Roteiristas de Hollywood ganham batalhas, mas guerra continua.

JB Online 08/01/2008
Sue Zeidler, REUTERS
LOS ANGELES - Os roteiristas de Hollywood em greve venceram duas batalhas na segunda-feira, quando fecharam um acordo com a produtora de Tom Cruise e cancelaram a festa de entrega do Globo de Ouro, mas sua guerra trabalhista contra os estúdios de cinema e TV está longe de ter acabado.
Alguns especialistas acreditam que a estratégia dos roteiristas de selar acordos com produtoras independentes (como é a United Artists, de Tom Cruise) poderá até alimentar a determinação dos grandes conglomerados de mídia.
De fato, logo depois de a United Artists - comandada por Tom Cruise e a presidente-executiva Paula Wagner - ter anunciado seu acordo para permitir que membros do Sindicato de Roteiristas dos EUA (WGA, na sigla em inglês) trabalhem em seus filmes durante a greve, a controladora da produtora, a Metro-Goldwyn-Mayer, divulgou comunicado afirmando que discordava da decisão da UA.
Outros membros da Aliança de Produtores de Cinema e Televisão (AMPTP), que representa os grandes estúdios que estão negociando com o WGA, também comentaram o acordo da UA.
Philip Dauman, presidente-executivo da Viacom Inc., disse que acordos isolados como o da United Artists terão impacto mínimo.
- O problema só será resolvido de fato com um acordo entre o sindicato de roteiristas e as produtoras maiores, coletivamente - declarou.
Os cerca de 10.500 filiados do WGA entraram em greve contra a AMPTP em novembro devido a questões que incluem a quantidade de dinheiro que os roteiristas recebem quando seus trabalhos são divulgados na Internet.
Desde o início da greve, a produção de alguns programas de TV foi suspensa, vários filmes foram adiados e várias cerimônias de premiação de Hollywood, como a do Globo de Ouro, enfrentam obstáculos.
Na noite de segunda-feira, a rede NBC pôs fim a semanas de especulações, anunciando que os premiados com o Globo de Ouro serão anunciados em coletiva de imprensa, em lugar da tradicional cerimônia de gala.
**********************************************************************
HOLLYWOOD EM GREVE
Talk shows voltam ao ar sem roteiristas
Observatório da Imprensa
Por Leticia Nunes (edição), com Larriza Thurler em 8/1/2008
Após dois meses de reprises, alguns dos populares talk shows americanos voltaram ao ar na primeira semana do ano – porém, sem os roteiristas. O sindicato da categoria mantém a greve, iniciada em novembro; a única exceção é o programa do apresentador David Letterman, na rede CBS, que conseguiu fazer um acordo independente. A maior parte dos roteiristas, no entanto, ainda não chegou a um consenso com os empregadores sobre o valor que os profissionais devem receber pelo material distribuído na internet e em plataformas digitais. Mesmo de volta ao batente no que parece ser um "fura greve", produtores e apresentadores não deixaram de expressar o apoio aos grevistas. "Estou do lado dos roteiristas", afirmou Jay Leno, do Tonight Show, da NBC.
Os talk shows, como o de Leno e o de Letterman, foram um dos gêneros mais prejudicados com a greve dos roteiristas – justamente por dependerem de roteiro atualizado diariamente. Leno chegou a ajudar a pagar os salários de dezembro de parte da equipe de seu programa, e alega que só voltou ao ar para evitar que os funcionários sejam demitidos. "Tivemos que voltar, pois temos 19 pessoas prejudicando o trabalho de 160", resume.
Com a falta de opções de convidados estrelados – grande parte dos atores de cinema e TV se recusa a furar a greve –, a volta dos programas de talk show está se provando, no mínimo, criativa. Esta semana, Jay Leno e o também apresentador Jimmy Kimmel, da ABC, combinaram de fazer uma troca de convidados: um irá aparecer no programa do outro, na quinta-feira (10/1).
O show tem que continuar
Desde o início da paralisação, as redes de TV vêm perdendo lucros publicitários. Como os programas estão sendo reprisados, a audiência vem caindo. O Tonight Show, por exemplo, que rende cerca de US$ 50 milhões por ano em lucros, registrou queda de 40% na audiência. Outros apresentadores de talk shows, entre eles Conan O’Brien, da NBC; Jon Stewart e Stephen Colbert, do Comedy Central; e Craig Ferguson, da CBS, também voltaram ao ar, mesmo sem os roteiristas.
Disputa
David Letterman – que deixou a barba crescer em solidariedade aos grevistas – foi o único a voltar ao ar com um acordo independente feito entre sua produtora, a Worldwide Pants, e o sindicato Writers Guild of America, e terá seus roteiros escritos por sua própria equipe. Com isso, ele ainda tem a vantagem de conseguir convencer convidados de peso a comparecer ao programa. Na semana passada, o ator Robin Williams foi um dos presentes em Letterman, enquanto Leno contou com o presidenciável republicano Mike Huckabee. A disputa entre Letterman e Leno é antiga e o primeiro costuma amargar o segundo lugar na audiência desde 1995. A greve e o acordo exclusivo para não furá-la, no entanto, parecem tê-lo beneficiado.
Muitos dos apresentadores fazem parte do Writers Guild of America e, segundo as regras do sindicato, não podem escrever seus próprios roteiros. Aqueles que o fizerem correm o risco de ser expulsos do sindicato. Leno começou seu programa da semana passada afirmando que fora ele que escrevera o texto, que havia sido, inclusive, aprovado por sua esposa.
Globo de Ouro pode sofrer boicote de atores
Se um acordo semelhante ao de Letterman não for feito com o sindicato, a premiação do Globo de Ouro, no dia 13/1, pode virar o mico do ano. O Screen Actors Guild, sindicato dos atores americanos, está pedindo aos indicados que não compareçam à cerimônia, a segunda mais importante de Hollywood depois do Oscar. "Após amplas discussões com atores indicados aos Globos de Ouro e seus agentes nas últimas semanas, parece haver um acordo unânime de que estes atores não irão furar a greve do sindicato dos roteiristas", declarou o presidente do Screen Actors Guild, Alan Rosenberg.
Segundo o jornal Daily Mirror, a atriz britânica Keira Knightley – cuja mãe é roteirista – foi a primeira indicada a confirmar ausência na cerimônia. Mesmo com a ameaça de não contar com celebridades de peso como Julia Roberts e Johnny Depp, a NBC confirmou que irá transmitir a 65º edição do prêmio. Informações de Matea Gold e Richard Verrier [Los Angeles Times, 3/1/08], Bill Carter [The New York Times, 6/1/08] e Bob Tourtellotte [Reuters, 4/1/08].

**********************************************************************


Tom Cruise assina acordo com sindicato dos roteiristas nos EUA
JB Online 07/01/2008
Agência JB
LOS ANGELES - Apesar da greve dos roteiristas de Hollywood, Tom Cruise conseguiu assinar um acordo com o sindicato para que voltem a trabalhar para o estúdio United Artists, co-dirigido pelo ator.
Os detalhes do acordo não foram revelados, mas acredita-se que devem ser semelhantes ao feito com a produtora de David Letterman, que voltou a ter seus programas exibidos ao vivo na última semana.
O apresentador concordou em pagar aos roteiristas um extra pela transmissão dos episódios na internet e por downloads pagos, algumas das principais reivindicações do sindicato dos roteiristas.
*********************************************************************
HOLLYWOOD
Greve dos roteiristas ameaça cerimônia do Oscar
Observatório da Imprensa
em 19/12/2007

A briga entre roteiristas e estúdios de TV e cinema está prestes a prejudicar as duas maiores premiações da glamourosa indústria de Hollywood. O sindicato Writers Guild of America, que representa os roteiristas insatisfeitos, proibiu os profissionais de abrir uma brecha na greve para escrever para as cerimônias do Globo de Ouro e do Oscar.
Os dois eventos ocorrem em janeiro e fevereiro, respectivamente. A paralisação dos roteiristas teve início em novembro. Eles reivindicam participação nos lucros pelos programas exibidos em mídias digitais. A decisão do sindicato elevou ainda mais o tom da discussão - uma tentativa de diálogo no início de dezembro já havia esquentado o debate e piorado ainda mais a disputa.
Como o sindicato dos atores apóia a greve dos roteiristas, não se sabe quantas estrelas hollywoodianas aceitarão posar de apresentadores nas duas cerimônias. O comediante John Stewart - ele próprio membro do sindicato dos roteiristas - foi anunciado como o apresentador principal do Oscar de 2008. Até agora, Stewart, que protagoniza o programa The Daily Show no canal Comedy Central, não furou a paralisação. Nas últimas sete semanas, a emissora tem exibido reprises do programa.
Sem acordo
Diversos indicados ao Globo de Ouro - anunciados na semana passada - afirmaram que esperam participar da cerimônia, mas temem não poder fazê-lo se até lá o impasse continuar sem solução. Na segunda-feira (17/12), o sindicato dos roteiristas divulgou uma carta rejeitando o pedido da Associação de Imprensa Estrangeira, responsável pela premiação, para uma brecha na paralisação. Segundo o sindicato, abrir esta exceção não ajudaria na luta contra os estúdios pela negociação de um novo contrato.
Em carta separada à Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, responsável pelo Oscar, o sindicato não permitiu o uso de clipes de filmes e programas antigos que seriam mostrados durante a cerimônia. A Academia havia feito seu pedido anual, padrão, para o uso deste tipo de material.
A greve dos roteiristas levou à interrupção da produção de diversas séries de TV americanas e ao adiamento da produção de longas. Com as filmagens paradas, outros profissionais da indústria temem perder seus empregos. As emissoras têm exibido reprises dos seriados e programas de entrevistas, mas a audiência, como era de se esperar, vem caindo - o que põe em risco também a receita publicitária. Informações de Lynn Elber [AP, 18/12/07].

**********************************************************************

EUA 2008
Cobertura política cresce com greve dos roteiristas
Observatório da Imprensa
em 18/12/2007

Se a greve dos roteiristas de Hollywood se estender até 2008, limitando a programação de seriados e talk shows, as emissoras de televisão dos EUA podem ter na cobertura política um trunfo para o horário nobre. A paralisação pode trazer de volta às redes de TV abertas o tipo de cobertura de campanha há muito restrita à TV a cabo americana. Entre as grandes emissoras, a NBC já anunciou que irá dedicar pelo menos uma hora no horário nobre para a cobertura da chamada "Super Tuesday" em 5/12, dia em que ocorrem 20 eleições primárias no país – para determinar os candidatos democrata e republicano à disputa pela Casa Branca.
Ainda que a programação – cobertura política incluída – já tivesse sido estipulada antes do início da greve dos roteiristas, em 5/11, as redes não descartam a possibilidade de aumentar o tempo de transmissão de notícias na "Super Tuesday" e nas primárias de Iowa e New Hampshire, em janeiro.
A NBC tem como vantagem na cobertura o MSNBC, canal de notícias a cabo que compete com os grandes CNN e Fox News Channel. Portanto, a área responsável pela cobertura política da emissora estará a mil por hora. Enquanto MSNBC, Fox News e CNN planejam uma cobertura especial – e constante – para as primárias, NBC, ABC e CBS terão entradas com informações sobre Iowa e New Hampshire. "Se acharmos que é uma notícia importante, colocaremos entradas ao vivo", diz Steve Capus, presidente da NBC News. "Mas ainda é cedo para dizer se isto será necessário", ressalta. Informações do Hollywood Reporter [11/12/07].
**********************************************************************

TV NOS EUA
Debate democrata cancelado por causa de greve
Observatório da Imprensa
em 4/12/2007
O Comitê Nacional Democrata dos EUA anunciou, na semana passada, o cancelamento do debate entre os candidatos do partido à presidência, que seria exibido em 10/12 por estações afiliadas à rede de televisão CBS. O motivo alegado foi a greve dos roteiristas e de outros funcionários da emissora ligados ao sindicato Writers Guild of America. Desde o início de novembro, são realizados protestos em frente aos estúdios da CBS. Como nem os funcionários queriam furar a greve, nem os candidatos estavam dispostos a cruzar a linha dos protestos, o partido achou prudente cancelar o debate.
Karen Finney, diretora de comunicações do Comitê Democrata, declarou que não há planos para reagendar o debate, que seria realizado em Los Angeles. Em nota, a CBS lamentou o cancelamento. Os roteiristas da emissora trabalhavam há mais de dois anos com o contrato expirado e, na semana passada, votaram pela greve.
Acordo
Já a rival ABC conseguiu entrar em acordo com seus funcionários. Sob os termos da negociação, 250 empregados da rede em Nova York e Washington – incluindo roteiristas, editores, assistentes de produção e outros – terão aumento anual de 3,5% . Os funcionários trabalhavam com o contrato expirado desde janeiro de 2005. O novo contrato vale até 2010.
Paralisação dos roteiristas completa um mês
A paralisação dos roteiristas de Hollywood, também representados pelo Writers Guild of America, completa seu primeiro mês. Roteiristas de programas de TV e filmes deram início à greve no dia 5/11. Eles cobram uma maior participação nos lucros com programas e filmes baixados na internet.
Programas noturnos de entrevistas e seriados de TV foram os primeiros prejudicados com a medida. As produções foram interrompidas e as emissoras passaram a exibir reprises. A indústria cinematográfica também começou a sentir as conseqüências da greve. O primeiro longa a anunciar que adiaria a filmagem foi a adaptação do best seller Anjos e Demônios, de Dan Brown. Informações de Bill Carter [New York Times, 29/11/07] e Reuters [29/11/07].

**********************************************************************


EUA
Greve de roteiristas ganha força na internet

Observatório da Imprensa
em 28/11/2007


A paralisação dos roteiristas de Hollywood por participação nos lucros dos programas exibidos na internet ganhou força, ironicamente, na própria rede. O sindicato Writers Guild of America entrou em greve no dia 5/11, pela primeira vez em 20 anos. Os estúdios de cinema, produtoras e redes de TV, representados pela Alliance of Motion Picture e Television Producers, alegam que ainda é muito cedo para determinar qual modelo de negócios terá sucesso na rede. Eles querem flexibilidade para experimentar, sem ter de estar presos a fórmulas estabelecidas de pagamento.

Piquete virtual

Na quarta semana de greve, os roteiristas decidiram usar ferramentas como blogs, vídeos e outros métodos de divulgação na internet para chamar mais atenção à causa. Unidades do sindicato de roteiristas de diversas regiões dos EUA passaram a divulgar releases e informações adicionais em seus sítios. Alguns grevistas começaram a usar como canal de comunicação o sítio de relacionamento MySpace, que ironicamente pertence ao conglomerado de mídia News Corporation, afetado pela greve. "Não deve ser nada divertido para Rupert Murdoch [dono da News Corp] me ver fazendo isto em seu ‘quintal’", escreveu Kristen Stavola, criadora do sítio Hollywood Interrupted, em uma paródia com o filme Garota Interrompida.

Um dos vídeos mais populares - que já foi visto mais de 550 mil vezes no YouTube - é o The Office is Closed ("O Escritório está Fechado", tradução livre), gravado durante os protestos pelo roteirista Peter Rader, da série The Office. O vídeo mostra o produtor e roteirista Greg Daniels criticando redes de TV que alegam estar usando reprises do seriado apenas por motivos "promocionais". "Chegamos à conclusão que tínhamos a oportunidade de usar a internet contra as empresas que estão tentando dominar a rede", diz Rader.

Sem roteiro, sem fala

Outro exemplo de mobilização é a campanha Speechless, que apresenta vídeos, com a participação de atores famosos, para ilustrar a falta que os roteiristas fazem. "A idéia é atrair a atenção de todos para a greve", afirma George Hickenlooper, um dos criadores da campanha.

Nikki Finke, colunista do LA Weekly, foi a primeira a exibir tais vídeos em seu sítio, Deadline Hollywood Daily. De certo modo, a greve foi benéfica para Nikki, que viu o tráfego aumentar após os clipes. Antes da paralisação, ela acumulava 350 mil page views por dia. Desde o começo dos protestos, sua audiência subiu para quase um milhão diariamente. A colunista já publicou mais de 100 posts sobre o tema. Nikki estima receber dois mil e-mails por dia. "Está sendo difícil, mas satisfatório, pois eu amo notícias. Para mim, um furo é melhor que sexo", compara. Informações de Gary Gentile [AP, 26/11/07] e de Brian Stelter [New York Times, 26/11/07].

Comentários (1)

Comentar
[imprimir] [enviar a um amigo] [link permanente]

Nenhum comentário:

BLOGOSFERA PROGRESSISTA

Arquivo do blog

Seguidores

JACOB (J.) LUMIER NA O.E.I.

Partilhar


Share/Save/Bookmark Support CC Add to Google Add to Technorati Favorites Technorati Profile Compartilhar Delicious Bookmark this on Delicious
Central Blogs

Liga dos Direitos do Homem

Greenpeace

Greenpeace
L'ONG non violente, indépendante et internationale de protection de l'environnement